NOTA ! Este sítio utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes.

Se não alterar os parâmetros do seu navegador, está de acordo. Saber mais

Compreendo

ArteAzul-Atelier

 

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações acerca da sua utilização do site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e análise. Ver detalhes

A opinião dos contribuidores NetBila com espaço aberto aos leitores

A Escola Profissional Agrícola de Carvalhais - Mirandela, um bem maior!

É a Escola Profissional Agrícola (EPA) com grande centralidade e a única em Trás-os-Montes. Fiquei incomodado por me dizerem que de um grupo de cruzeiros turísticos do Douro lhe quis «deitar a mão», talvez com o pressuposto que lhe cairia no colo ao preço da uva mijona. Só assim se compreende que poderá ter havido todo um processo de bastidores que envergonha. Há tanta terra desvalorizada onde investir!...

Mona Lisa – La Gioconda

“Degustada” pelos olhares dos seus visitantes em observações entrecruzadas, Dona Mona Lisa – La Gioconda –, nos anos desgastada e hoje em dia dócil aos smartphones e seus flashs enérgicos, a esposa de Giocondo ali se expõe no Museu do Louvre, em Paris, desprovida de formas e saliências modernas, imparcial de atitude. Certamente influenciada pela fortaleza ilimitada de conhecimento do seu génio – Leonardo da Vinci –, misteriosa, esboça simpáticos sorrisos a todos quantos se encontram naquela sala, atentos às vontades de maior proximidade e sobretudo em melhoria de enquadramentos eletrónicos, numa focagem condigna e primorosa que pretendem alcançar.

Calças rotas, a moda saloia

Quando, no final da década de sessenta, do século XX, se usaram as calças à boca-de-sino (hoje voltam à moda), o meu pai criticou-me por eu as usar. Dizia-me que a moda era redonda e voltava às calças largas. Na minha inexperiência, respondi-lhe que estava errado e que a moda não voltava atrás. Contrapôs-me que já as tinha havido no seu tempo de rapaz, ou seja nos anos vinte. Mais tarde, constatei que ele tinha razão. Razão tinha quase sempre, mesmo em assuntos da cultura e aprendi com os meus enganos a ouvi-lo mais e a seguir os seus concelhos.

Certificação biológica e orgânica, porque não feita pelos municípios?

Há muito que me convenci que a nossa agricultura e a pequena indústria da região só têm viabilidade digna quando forem certificadas. A certificação passa por um processo caro que é cobrado pelas empresas de certificação. Como em Vinhais é feita a certificação do óptimo fumeiro, por uma técnica do município, que acompanha todas as etapas da criação da raça do porco bísaro, também o nosso município (ou associação de municípios) podia desenvolver a certificação e promovê-la, gerando-se mais-valias aos pequenos produtores, como sucede com alguma criação de cabrito e cordeiro.

Museus, Espaços e Centros Culturais e Visitas

A cultura é uma forma de afirmação e promoção de uma localidade, de um município ou de uma região. A cultura gera desenvolvimento e deve ser encarada como um bom investimento, porque atrair visitantes e turistas acaba por os levar a deixarem alguns euros na localidade. Hoje, um museu ou um espaço cultural ou documental (biblioteca) devem ter os nichos de venda, como se poder tomar um café ou um chá e onde se possam adquirir «recordações» e documentos (livros) de interesse local ou regional.

As festas da cidade de Mirandela em honra da Senhora do Amparo

Longe vai o tempo que a «Festa da Senhora do Amparo», em Mirandela, estava sempre garantida. As «carreiras» do Teodoro não paravam de despejar gente na antiga vila, vinda da corda de Chaves Valpaços. Os comboios vinham a abarrotar fosse gente que apanhavam de Bragança e Macedo, fosse de Foz-Tua, Régua e Porto. Nem esperavam pela estação. Muitos saltavam no apeadeiro de S. Sebastião. As estradas, para além dos movimentos de carros e camionetas, vinham apinhadas de cavalgaduras e gente.

Mortandade de peixes no rio Tua

Hoje sabe-se que quer os animais, quer as plantas estão mais próximos do homem do que durante séculos se pensou. Para definirmos os seres vivos foi criada há cerca de 20 anos a palavra biodiversidade. Outrora havia as instituídas troviscadas em que se acandilavam os peixes com o veneno do trovisco, com o fim de o apanhar melhor. Depois veio a caça ilegal com bombas que matavam grandes e pequenos e muito contribuíram para a diminuição do peixe nos nossos rios. Faziam-se os cebadouros que atraíam os peixes do rio e depois à tardinha, no pino da canícula ou ao raiar do sol lá se ouviam as bombas.

Conquista de Ceuta

Há 600 anos Portugal conquistou Ceuta

Faz 600 anos dia 21 deste mês que o exército, comandado por D. João I, Rei de Portugal, conquistou a cidade de Ceuta, localizada no norte de África. 

Ler mais...

Abril frio

traz pão e vinho

Alta ou baixa, em Abril vem a Páscoa.

Abril frio traz pão e vinho.

Burro velho não toma andadura e se a toma pouco dura.

As Desfolhadas

Espiga vermelha, "milho -rei"

As desfolhadas são a par das vindimas, das sementeiras, das malhadas e das ceifas uma das actividades que mais impacto e alegria despertam na população rural. Nesta participada tarefa, os intervenientes cantam, contam histórias e voluntariosamente dão a sua desinteressada colaboração, quando muito, apenas à espera de serem recompensados com uma "pinga" ou então pela ânsia de festejarem o aparecimento de uma espiga vermelha, "milho -rei" ou mesmo duma serapintada "rainha", acontecimento que não sendo rezado se celebra sempre com o tradicional abraço da pessoa que teve a dita de encontrar a espiga da sorte...

Precedida do corte e transporte das canas do milho para junto do improvisado desfolhadoiro, a desfolhada consiste em retirar as espigas do "cosco" ou folhelho, depositando-as em seguida nos cestos, que uma vez atulhados são despejados no palheiro ou no espigueiro, conforme instruções emanadas do anfitrião.

Entretanto os "atadores" vão juntando e ao mesmo tempo enfaixando a palha em pequenos molhos, que dias mais tarde serão acumulados ao redor de uma vara ou árvore apropriada, disposta na borda do cancho, da leira ou do lameiro, para dar origem às tradicionais medas ou "meroucas" de palha de milho, de centeio ou feno, que durante os meses de Outono e Inverno tanto caracterizam a paisagem campesina de Entre Douro e Minho, mormente a desta transmontana freguesia de Basto.

Esta palha destina-se à alimentação do gado vacum e vai sendo consumida durante a invernia consoante as necessidades. Depois de secas por acção do sol ou do vento, as espigas, como acontece com as do centeio, são transportadas para a eira, onde vão ser malhadas. Evento que tem por fim separar o grão do carolo, através do ritmado bater do malho manual. Após esta operação, o grão devidamente limpo e seco, dá agora entrada na caixa do cereal, donde por conta e medida, vai ser retirado ao longo do ano em sacos ou foles, com destino ao moinho, para ser ali transformado na farinha que há-de dar origem à tão apreciada broa misturada ou pão-milho das antigas casas do lavrador nortenho.

 

José Augusto Costa Pereira
in Vilar de Ferreiros na história, no espaço e na etnografia

Carlos Alexandre

Carlos Alexandre ex-camarada de Sócrates e de Soares

É sábado e acabo de ler as revistas da semana: Visão e Nova Gente. Ambas falam do super-juiz  Carlos Alexandre que há 20 anos foi colega de curso de António Costa, na Universidade Nova de Lisboa. Ambos tiveram por camarada Eduardo Cabrita, atual Secretário de Estado Adjunto e da Administração Local.

Ler mais...