NOTA ! Este sítio utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes.

Se não alterar os parâmetros do seu navegador, está de acordo. Saber mais

Compreendo

ArteAzul-Atelier

 

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações acerca da sua utilização do site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e análise. Ver detalhes

Decorar com vidros

Decorar com vidros

Técnicas artesanais de embelezamento de objetos em vidro
Para decorar com vidros, lisos ou texturados, são importantes as técnicas artesanais de pintura, colagem, execução de “craquelé”, folha de ouro e prata, tintas de relevo, pasta de cristal.
Realçar os vidros através das cores aproveitando o seu próprio brilho constitui uma boa prática de decoração e adorno aplicado como complemento de embelezamento.
Quando as cores vivas não são objeto de contrariedade ao gosto, elas podem usar-se em monocromias ou mesmo em exuberantes contrastes de múltiplas variedades cromáticas, despertando atenções numa combinação de efeitos dinâmicos de luminescência, revelando-se em abundância de impressões.

Relicário

Relicário Presépio

Este relicário, como mostra a imagem, foi o primeiro efetuado no ArteAzul Atelier. Como em qualquer outro trabalho do qual não há conhecimento exato da técnica, foi necessário estudo e pesquisa para encontrar a solução de alguns problemas que se nos deparam com a realização de alguns pormenores. Mas nem sempre se encontram essas soluções com facilidade. Um trabalho de experimentação, optando pelos materiais que melhor se adequam à execução, é fundamental.

Ler mais...

Pergamanos em Quadros

Os pergamanos emoldurados em quadros ou tabuleiros

Os trabalhos com a técnica do papel pergamano resultam bem emoldurados em quadros ou mesmo em tabuleiros, protegidos com vidro, evidentemente.

Ler mais...

Teoria das Cores

Cores primárias

São três as cores primárias: o vermelho, o amarelo e o azul. Misturadas duas a duas, essas cores dão origem a outras três - as cores secundárias: o laranja (mistura do vermelho com o amarelo), o verde (mistura do amarelo com o azul) e o violeta (mistura do vermelho com o azul). Naturalmente, cada uma dessas combinações depende da proporção das cores primárias usadas: por exemplo, acrescentando muito amarelo e um pouco de azul, teremos um verde mais amarelado. Finalmente, se misturarmos entre si as cores primárias e as secundárias, obteremos as cores terciárias, em geral as mais frequentes na natureza: vermelho-laranja, amarelo-verde e azul-violeta.

Ler mais...

Os Nós na Tapeçaria

Tapeçaria: Tipos de Nós 

Há vários tipos de nós como os representados na figura em cima que podemos utilizar como base de aprendizagem para a execução de tapeçaria tecida. Nós simétricos, assimétricos e duplos ou falsos.

A partir destes e outros, dependendo da nossa imaginação, poderemos encontrar inúmeras variantes.

Ler mais...

Arquitetura de Potes

Potes: configuração de novas formas   

A "arquitetura de potes" não tem sido temática a que o ArteAzul-Atelier tenha dedicado, nos últimos tempos, algum do seu tempo, salvo algumas peças como a da imagem que mostramos, às quais transmitimos e renovámos com uma nova pintura.

Ler mais...

Bolsinha Shabby Chic

Bolsinha vintage "shabby chic"

Escolhidos os tecidos para o exterior e para o interior, idealizou-se um modelo de bolsinha ao estilo Shabby Chic. Deste estilo decorativo, como, aliás, fizemos já menção em outros artigos técnicos relacionados com o tema, tomam parte cores e tonalidades adequadas, como acontece, por exemplo, com a cor rosa suave, tal como mostra a imagem.

Ler mais...

Découpage, segundo Claude Allegri

A importância do Découpage no Pays-d’Enhaut e no Saanenland, segundo Claude Allegri

Claude Allegri resume bem a importância regional do Découpage no Pays d’Enhaut e no Saanenland (Saanen - comuna no cantão de Bern, contígua à comuna de Château-d’Oex no Pays-d’Enhaut): «Esta arte está presente em todos os lugares destas duas regiões através de obras antigas ou recentes que decoram as paredes das instituições públicas, estabelecimentos comerciais e chalés particulares.»

Ler mais...

Tapeçaria: técnica e arte

Arte e qualidade de execução técnica

A relação entre o que é arte e as formas técnicas de a alcançar é um tema que pode ser refletido e estudado nas diversas expressões artísticas, com particular incidência nas artes visuais. Nestas, hoje em dia, os partidários das ideias liberais são desprovidos de interesses no que diz respeito à utilização de espartilhos artísticos como as correntes e as modas. A única exigência é, de facto, a não exigência, isto é, a completa liberdade de execução, tanto no que diz respeito aos materiais e suportes como aos instrumentos usados.
Ler mais...

Muitas maneiras de pintar

Pintar um quadro

O pincel e a espátula são os instrumentos mais usados para pintar um quadro. No entanto, o modo de aplicar a tinta na tela depende muito de cada artista e da maneira como exprime as emoções. Alguns artistas italianos do século XVI aplicavam as tintas diretamente com os dedos. Ticiano, mestre da escola veneziana, costumava utilizar pincéis apenas na primeira fase da pintura, espalhando as últimas tintas com os dedos. Mais recentemente, os expressionistas alemães do início do século XX serviam-se do próprio tubo de tinta para aplicar as cores na tela.

Ler mais...

Vidrado em cru

Azulejos com vidrado em cru

Os azulejos que compõem todas as grandes obras clássicas de azulejaria que podemos observar em muitos lugares, especialmente nos templos religiosos, em Portugal e em outros países do sul da Europa, apresentam-se em peças completamente artesanais, manufaturadas na sua totalidade pela mão do homem. Percebe-se isso mesmo numa análise simples da sua superfície ou melhor se compreende quando observamos um desses azulejos separados de um painel onde se procede por exemplo ao seu restauro.

Ler mais...

Representação de tecidos

A representação dos tecidos e a harmonia da composição

Colin Saxton ensina que, ao organizar a composição, é preciso escolher com cuidado o nível ótico, ou seja, o ângulo de visão de todos os elementos que vão figurar no quadro. Esse nível ótico pode alterar profundamente o efeito da composição. Observar um grupo de pessoas de uma posição elevada ou olhar a mesma cena sentado no chão dão-nos duas perspetivas completamente diferentes.

Ler mais...

Imitação de Madrepérola

Exemplificação do efeito Madrepérola

Para exemplificar a imitação de madrepérola, servimo-nos de uma pequena caixa de madeira cuja tampa foi decorada usando essa técnica. Em primeiro lugar, pintou-se a tampa com tinta branca. Aplicou-se depois uma camada de cola branca e alisou-se.

Ler mais...