artesanato, artes decorativas, reprodução de arte sacra, formação,
ocupação dos tempos livres

NOTA ! Este sítio utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes.

Se não alterar os parâmetros do seu navegador, está de acordo. Saber mais

Compreendo

ArteAzul-Atelier

 

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações acerca da sua utilização do site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e análise. Ver detalhes

Esmaltagem a frio (ArteAzul-Atelier)

Esmaltar: dar brilho

De um modo generalizado e simplificado, a palavra “esmaltar” significa “dar brilho”, como tivemos oportunidade de referir em artigo anterior sobre o mesmo tema “Esmaltadores e pintura em esmalte”. 
Assim, em termos gerais, a aplicação de esmalte consiste em revestir uma superfície com uma substância, um produto que a tornará mais brilhante, transparente ou translúcida, com aparência vítrea. Esse processo, o da esmaltagem, poderá realizar-se segundo variadíssimas técnicas, que podem agrupar-se em dois capítulos: técnicas de fusão e a frio. Altas temperaturas são aplicadas no primeiro caso, precisamente para fundir, tornar líquidas substâncias de vidro a que se misturam óxidos metálicos para colorir e, em alguns casos, aplicadas técnicas através do calor, mas com temperaturas moderadas, podendo usar-se para isso um forno de cozinha, por exemplo. Neste caso, como é evidente, não se pretende fundir qualquer material mas apenas efetuar um cozimento.
Na esmaltagem a frio, esta é muitas vezes designada como técnica do “falso esmalte” ou “imitação de esmalte”, contrária para alguns aos méritos das técnicas artesanais de fusão. Para esmaltar a frio, os processos são inúmeros e empregam-se tintas apropriadas para vidro ou tintas cerâmicas, papel recortado, colas e vernizes e outros materiais.