NOTA ! Este sítio utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes.

Se não alterar os parâmetros do seu navegador, está de acordo. Saber mais

Compreendo

ArteAzul-Atelier

 

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações acerca da sua utilização do site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e análise. Ver detalhes

Découpage no Pays-d’Enhaut, Suisse

Recorte de papel e sua colagem

Quando se aborda o tema “Artes Decorativas”, nomeadamente as relacionadas com as técnicas que se executam artesanalmente, muito se ouve falar e muito se escreve sobre uma dessas técnicas que dá pelo nome de “Découpage”. São muitas as formas de fazer Découpage: as diversas nuances, os diferentes modos de arte ou, na pior das hipóteses, as inúmeras maneiras de trabalhar artesanalmente esta técnica manual de decoração perfazem um vasto conjunto de teorias que, aliadas à cultura, à realidade e ao saber, constituem uma prática ligada a diversas transformações da arte original e utilização de motivos mais ou menos relacionados com as respetivas vivências locais, originando resultados divergentes através de composições com elementos que o artista ou artesão escolhem aleatoriamente segundo os seus próprios gostos, tendências ou facilidades de execução.

Ler mais...

Paisagem e Composição Realística

Paisagem - dificuldades na sua representação

A paisagem na pintura é relativamente recente na História da Arte. Até ao século XVII, a paisagem era usada apenas como cenário, ou pano de fundo, de um quadro. Praticamente não lhe era atribuída importância. Podemos afirmar que a paisagem era um simples adereço que servia somente para enquadrar e envolver um motivo muito mais importante como um retrato. Um dos primeiros artistas a atribuir à paisagem um papel mais importante foi o veneziano Giorgione (1477-1510), que pintava as suas figuras rodeadas de árvores frondosas, vales e colinas. Durante o século XVII, diversos pintores holandeses fizeram da paisagem o tema central das suas obras.

Ler mais...

A seda

A seda, antigamente, era simplesmente colorida

A suavidade do toque e o brilho da seda têm, ao longo dos tempos, talvez desde há mais de 3500 anos, cativado mulheres e homens. A sua procura e respetiva comercialização levaram ao aparecimento de rotas terrestres e marítimas, como por exemplo do Japão ao Mediterrâneo. Inicialmente, a seda era simplesmente colorida, surgindo as primeiras técnicas na China e na Índia.

Ler mais...

Lãs para Tapeçaria

Lãs, algodão, seda

Lã, algodão ou seda são os principais materiais utilizados para a fabricação de tapeçarias. O Atelier ArteAzul serve-se de fio de algodão para construir a urdidura e lãs de diferentes cores e espessuras para a tecelagem e enriquecimento textural da peça.

Ler mais...

Bolsinha Shabby Chic

Bolsinha vintage "shabby chic"

Escolhidos os tecidos para o exterior e para o interior, idealizou-se um modelo de bolsinha ao estilo Shabby Chic. Deste estilo decorativo, como, aliás, fizemos já menção em outros artigos técnicos relacionados com o tema, tomam parte cores e tonalidades adequadas, como acontece, por exemplo, com a cor rosa suave, tal como mostra a imagem.

Ler mais...

Arranjos de Natal

Composições "Arranjos de Natal"

Em decorações de espaços interiores, por exemplo numa sala principal onde decorrem anualmente as festas alusivas à quadra de Natal, servem muitas vezes os centros de mesa ou jarrões como suporte a Arranjos de Natal elaborados com materiais diversos, juntando peças já usadas em anos anteriores ou peças novas, umas e outras com cores fortes e quentes como é o caso dos tons vermelhos associados às cores complementares dos tons verdes, resultando daí composições extremamente expressivas e contrastantes de modo a simbolizar a força e o calor humanos que nestas alturas devem prevalecer nos ambientes familiares.

Ler mais...